No dia-a-dia, nós comprovamos a nossa identidade através de assinaturas ou algum documento de identificação físico (como RG ou CNH).

Mas na era da tecnologia, são necessários outros métodos de comprovarmos nossa identidade, e aí é que entra em cena o certificado digital.

Esse novo método torna mais segura e não só a identificação da pessoa, mas também as transações digitais.

Mas afinal, o que é Certificado Digital? 

O Certificado Digital, é um documento eletrônico que assegura a identidade de seu titular, seja ele pessoa física ou jurídica, realizando comprovação mútua de identidade.

Os certificados aumentam a segurança das informações e dos documentos que circulam pela internet.

Por muito tempo, a autenticidade dos documentos foi declarada por carimbos, selos ou outros meios do tipo.

Hoje, com toda tecnologia que está diante de nós, parece estranho que apenas um carimbo seja suficiente para autenticar documentos, firmar acordos ou termos de responsabilidade.

Assim, foram criados os certificados digitais, usando a tecnologia a favor dos processos de autenticação de documentos e trazendo mais rapidez e segurança para as transações realizadas.

Com eles, é possível:

  • Assinar Notas Fiscais Eletrônicas;
  • Declarações de imposto de renda;
  • Envio de documentos para a Receita Federal;
  • Movimentações em contas bancárias;
  • Autenticação em e-mails;
  • Abertura e fechamento de negócios;
  • Envio de documentações;

Entre outras aplicações.

A MP 2.200-2, de 24/08/2001, garante validade jurídica aos documentos assinados eletronicamente com os Certificados Digitais emitidos dentro da Infraestrutura da ICP-Brasil.

E todo mundo precisa ter um desses?

Todas as empresas e também você como pessoa física podem fazer uso do Certificado Digital, mas em alguns casos, o uso é obrigatório.

Desde 2010, existe a obrigatoriedade do uso do certificado digital para empresas que trabalham sob o regime de lucro presumido ou lucro real, para emissão das suas declarações perante a RFB (Receita Federal do Brasil), garantindo por meio da assinatura digital a autenticidade das informações, a realização de transações eletrônicas de forma segura e evitando que os dados enviados sejam alterados ou sofram algum tipo de ataque durante o processo de envio.

Mesmo quando não é obrigatório, o Certificado Digital é importante para agilizar processos.

Para os escritórios de contabilidade, por exemplo, é muito relevante.

Contadores são peças-chave no envio e acompanhamento de informações, além de dar suporte aos contribuintes, mantendo-os informados e atualizados quanto às novas demandas digitais exigidas pelo Governo Brasileiro.

Para se ter uma ideia da importância e da grandeza desse mercado, o número de certificados digitais emitidos aqui no Brasil cresce a cada dia.

O que há alguns anos era quase desconhecido por todos, está cada vez mais popular entre as empresas.

Novas aplicações surgem sempre, tornando esses certificados cada dia mais úteis.

Em números, no ano de 2010, quando a certificação passou a ser obrigatória, foram emitidos em todo o país em torno de 1 milhão de certificados.

Em 2017, foram quase 3,5 milhões e em 2018 foram 4,4 milhões, números que só tendem a crescer.

É isso que vendemos aqui na Forte?

Com foco nas contabilidades, a Forte não vende só certificados digitais e isso é muito importante nos lembrarmos.

Para nos diferenciarmos no mercado e garantirmos ganhos significativos, nós entregamos a nossos parceiros e clientes soluções completas.

Existe todo um processo a ser realizado sempre que um contador precisa emitir ou renovar um certificado digital para uma empresa cliente e é ai que nós entramos.

Em um mercado onde os preços são muito parecidos, o nosso serviço feito de forma excepcional e o nosso relacionamento são os pontos que nos diferenciam.

Parece simples, mas esse é o desafio da Forte hoje: mostrar para os nossos parceiros que podemos oferecer a eles um serviço melhor do que eles têm hoje, que podemos facilitar a vida e o dia a dia deles.

Palavras-Chaves que você precisa saber!

CERTIFICAÇÃO DIGITAL – Tecnologia que permite transações eletrônicas de forma segura, por meio de autenticação.

ASSINATURA DIGITAL – Processo eletrônico por onde documentos podem ser assinados por meio de codificação.

CERTIFICADO DIGITAL – Arquivo eletrônico que contém a assinatura eletrônica e os dados do dono, utilizados nas transações on-line.

CERTIFICADO A1 – É emitido e armazenado no computador ou em dispositivo móvel de sua preferência e tem validade de 1 ano.

CERTIFICADO A3 – É emitido e armazenado no que chamamos de mídia criptográfica, que pode ser um cartão ou token. Tem validade de 1 a 3 anos.

E-CPF – É a Identidade Digital da Pessoa Física no meio eletrônico. Pode ser utilizado para assinar documentos com validade jurídica e se comunicar com a Receita Federal, por exemplo, ao enviar sua declaração de Imposto de Renda anualmente. Veja nosso post “Certificado Digital: O Que é o e-CPF?”.

E-CNPJ – É a Identidade Digital das Pessoas Jurídicas no meio eletrônico, ou seja, possibilita a autenticação em sistemas públicos ou privados em nome da empresa. Um dos principais usos é a emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).

AC – Uma AC, ou Autoridade Certificadora, é o órgão responsável por emitir os Certificados Digitais. Pode ser pública ou privada, mas todas têm o mesmo objetivo: emitir os certificados, garantir que todas as informações estejam corretas e enviar as informações para a o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, que controla todas as emissões.

AR – As Autoridades de Registro, ou ARs, estão abaixo das ACs e são responsáveis por identificar os usuários e fazer os pedidos de Certificados Digitais junto às ACs.

ITS – As instalações técnicas secundárias é o ambiente físico de uma AR, não necessariamente no mesmo endereço dessa, cujo funcionamento foi devidamente autorizado pelo ITI, onde são realizadas as atividades de validação e verificação da solicitação de certificados.